domingo, 22 de abril de 2018

Se o primeiro casamento fracassou, o que diz a Igreja?

O adultério é realmente tão grave assim?






Se o primeiro casamento fracassou e a pessoa constituiu uma nova união, o que pede o Direito Canônico?
Adultério é a união sexual voluntária entre uma pessoa casada e outra que não é seu cônjuge.

Por que a Igreja considera isso grave? 
Não se trata somente de fazer sexo fora do casamento, mas também atentar contra o vínculo matrimonial, que não é algo simplesmente humano, mas sim estabelecido pelo próprio Deus. Diante da realidade do adultério, é preciso ter algumas coisas claras:

1. A magnitude do pecado de adultério

As pessoas costumam achar que, se não há escândalo, não há gravidade. Mesmo que ninguém fique sabendo, o pecado existe – e os primeiros prejudicados são os próprios protagonistas. Este pecado machuca a Igreja, a sociedade e tem a ver com algo ainda mais profundo, que é romper a aliança com Deus.

2. Nenhum pecado tem justificativa

Nenhum pecado tem justificativa, e menos ainda o de adultério, com uma suposta lógica humana, dizendo: "todo mundo faz", "a culpa do fracasso no casamento não foi minha e por isso tenho o direito de refazer minha vida junto a outra pessoa" etc.

O inimigo faz o mal com aparência de bem, seguindo a lógica do mundo.

3. Sacrificar-se pelo bem maior

É preferível fazer sacrifícios e renúncias para ter uma consciência limpa, tranquila e pura, que ter o que o mundo oferece, mas com remorsos e longe da salvação.
Jesus disse: "Nem todo aquele que me diz ‘Senhor, Senhor’ entrará no Reino dos Céus, mas sim aquele que faz a vontade do meu Pai" (Mt 7, 21). Qual é a vontade do Pai? Respeitar o vínculo sacramental, apesar de tudo.

4. Em uma relação adúltera não há amor

Não pode haver amor em meio ao pecado; podem chamar isso de paixão, carência, necessidade de sexo, busca de proteção, mas não de amor.
Deus é amor (1 Jo 4, 8) e, por isso, o amor só pode estar realmente em relações abençoadas por Ele, nas quais respeitam sua presença.

5. Comunhão

Só se pode comungar em estado de graça, ou seja, sem pecados graves ou mortais. Recebe a comunhão quem está em comum-união com Deus.

6. Pecado e sagrado não se misturam. 

Não se pode tentar misturar o pecado com o que é sagrado. Onde há pecado mortal, não há vida espiritual. Os mortos não comem.

Daí a importância da confissão. Mas não é fácil sair do adultério sozinho; o primeiro passo é expor isso em confissão, com um bom padre, talvez alguém que conheça bem a história dessa pessoa.

7. O propósito de emenda

Quando existe um pecado mortal, o penitente deve cumprir 5 passos para fazer uma boa confissão: exame de consciência, contrição, propósito de emenda, confissão oral e cumprimento da penitência.

No caso de uma pessoa divorciada em segunda união: é possível fazer o propósito de emenda, ou seja, que a relação com a segunda pessoa deixe de ter as características próprias de um casal de casados?

Mesmo morando sob o mesmo teto, a pessoa está disposta a relacionar-se com o outro como se fossem irmãos?

Se a resposta é positiva às duas perguntas e garante o cumprimento sério do propósito de emenda (deixar de pecar e manter-se em graça), a pessoa pode comungar, ainda que prefira fazê-lo em outra paróquia, para evitar mal-entendidos, ou comungar de maneira privada.

Jesus disse à pecadora: "Eu tampouco te condeno. Vai e não peques mais".

8. A vida na Igreja

Se a resposta às duas perguntas anteriores for negativa, isso não significa que a pessoa fica à margem da vida da Igreja. Mesmo que não possa comungar, ela pode ir à missa, participar dela e implorar a Deus que a ajude a sair deste estado pecaminoso.

9. O amor verdadeiro

Se a pessoa com quem convive realmente a ama, entenderá que ela quer dar prioridade a Deus e à sua salvação, e respeitará sua decisão – que beneficiará a todos.

O amor autêntico sempre vai querer o bem real, presente e eterno, dos outros; nunca vai excluir Deus nem sua bênção.

10. Toda escolha implica renúncias

Se uma pessoa divorciada em nova união deseja cumprir o primeiro mandamento da lei de Deus, amando-O sobre todas as coisas (pessoas, prazeres, aparências etc.), a que está disposta a renunciar, a deixar de lado?

A aceitação teórica da realidade de um sacramento (neste caso, do matrimônio, que se presume ser válido, ainda que tenha fracassado) não é compatível com a negação prática dele.

11. Os filhos

Se a pessoa tem filhos, sua situação incide ainda mais na formação da fé dos pequenos. O exemplo educa. Estas situações difíceis podem servir de exemplo na educação dos filhos.

12. Oração

Em casa, não se pode deixar de fazer oração, de incentivar a oração em família, formar os filhos na fé etc.

13. Paróquia

Há muitas maneiras de estar unidos a Deus e à Igreja. É aconselhável envolver-se na vida da paróquia em tudo o que for possível, pois a Igreja não rejeita as pessoas divorciadas que vivem uma nova união.

A Igreja é acolhedora e misericordiosa. Mas isso não significa que ela aceita o pecado ou que deixa de denunciar esse pecado. 

O adultério (de pensamento ou obra) é um afeto desordenado.

Como se costuma dizer, Deus (e, por conseguinte, a Igreja) rejeita o pecado, mas não o pecador. Jesus veio buscar os pecadores, chamá-los à vida. O amor de Deus é maior que o pecado e, por isso, é preciso agarrar-se a Deus. Haja o que houver, a pessoa não deve se soltar da Igreja.

O ser humano sem a Palavra de Deus, sem a relação com Deus, está perdido. Se uma pessoa divorciada em nova união tem a reta intenção de sair do pecado, é preciso preparar-se para ver quão poderoso é o Senhor: Ele pode devolver a dignidade à sua vida.

fonte: pt.aleteia.org


terça-feira, 10 de abril de 2018

Tens algum doente em casa ou no hospital? Alguns ensinamentos à luz do Catecismo.




D.38 DOENTES cf. Unção dos enfermos

D.38.1 "Curai os enfermos" preceito de Jesus

§1506 Cristo convida seus discípulos a segui-lo, tomando cada um sua cruz. Seguindo-o, adquirem uma nova visão da doença e dos doentes. Jesus os associa á sua vida pobre e de servidor. Faz com que participem de seu ministério de compaixão e de cura: "Partindo, eles pregavam que todos se arrependessem. E expulsavam muitos demônios e curavam muitos enfermos, ungindo-os com óleo" (Mc 6,12-13).

§1507 O Senhor ressuscitado renova este envio ("Em meu nome... eles imporão as mãos sobre os enfermos e estes ficarão curados". (Mc 16,17-18) e o confirma por meio dos sinais realizados pela Igreja ao invocar seu nome. Esses sinais manifestam de um modo especial que Jesus é verdadeiramente "Deus que salva".

§1508 O Espírito Santo dá a algumas pessoas um carisma especial de cura para manifestar a força da graça do ressuscitado. Todavia, mesmo as orações mais intensas não conseguem obter a cura de todas as doenças. Por isso, São Paulo deve aprender do Senhor que "basta-te a minha graça, pois é na fraqueza que minha força manifesta todo o seu poder" (2Cor 12,9), e que os sofrimentos que temos de suportar podem ter como sentido "completar na minha carne o que falta às tribulações de Cristo por seu corpo, que é a Igreja" (Cl 1,24).

§1509 "Curai os enfermos!" (Mt 10,8). A Igreja recebeu esta missão do Senhor e esforça-se por cumpri-la tanto pelos cuidados aos doentes como pela oração de intercessão com que os acompanha. Ela crê na presença vivificante de Cristo, médico da alma e do corpo. Esta presença age particularmente por intermédio dos sacramentos e, de modo especial, pela Eucaristia, pão que dá vida eterna a cujo liame com a saúde corporal São Paulo alude.

§1510 Entretanto, a Igreja apostólica conhece um rito próprio em favor dos doentes, atestado por São Tiago: "Alguém dentre vós está doente? Mande chamar os presbíteros da Igreja, para que orem sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor. A oração da fé salvará o doente e o Senhor o aliviará; e, se tiver cometido pecados, estes lhe serão perdoados" (Tg 5,14-l5). A Tradição reconheceu neste rito um dos sete sacramentos da Igreja.

D.38.2 Cuidado e consideração dos doentes

§2186 Os cristãos que dispõem de lazer devem lembrar-se de seus irmãos que têm as mesmas necessidades e os mesmos direito mas não podem repousar por causa da pobreza e da miséria. O domingo é tradicionalmente consagrado pela piedade cristã às boas obras e aos humildes serviços de que carecem os doentes, os enfermos, os idosos. Os cristãos santificarão ainda o domingo dispensando à sua família e aos parentes o tempo e a atenção que dificilmente podem dispensar nos outros dias da semana. O domingo é um tempo de reflexão, de silêncio, de cultura e de meditação, que favorecem o crescimento da vida interior cristã.

D.38.3 Doentes no Antigo Testamento

§1502 O homem do Antigo Testamento vive a doença diante Deus. E diante de Deus que ele faz sua queixa sobre a enfermidade, e é dele, o Senhor da vida e da morte, que implora a cura . A enfermidade se toma caminho de conversão e o perdão de Deus de início à cura. Israel chega à conclusão de que a doença, de uma forma misteriosa, está ligada ao pecado e ao mal e que a fidelidade a Deus, segundo sua Lei, dá a vida: "Porque eu sou Iahweh, aquele que te restaura" (Ex 15,26). O profeta entrevê que o sofrimento também pode ter um sentido redentor para os pecados dos outros (Cf Is 53,11). Finalmente, Isaías anuncia que Deus fará chegar um tempo para Si o em que toda falta será perdoada e toda doença ser curada (Cf Is 33,24).

D.38.4 Doentes sinal da presença de Jesus

§1373 "Cristo Jesus, aquele que morreu, ou melhor, que ressuscitou, aquele que está à direita de Deus e que intercede por nós" (Rm 8,34), está presente de múltiplas maneiras em sua Igreja): em sua Palavra, na oração de sua Igreja, "lá onde dois ou três estão reunidos em meu nome" (Mt 18,20), nos pobres, nos doentes, nos presos, em seus sacramentos, dos quais ele é o autor, no sacrifício da missa e na pessoa do ministro. Mas "sobretudo (está presente) sob as espécies eucarísticas".

D.38.5 Jesus e cura dos doentes

§699 A mão. E impondo as mãos que Jesus cura os doentes e abençoa as criancinhas. Em nome dele, os apóstolos farão o mesmo. Melhor ainda: é pela imposição das mãos dos apóstolos que o Espírito Santo é dado. A Epístola aos Hebreus inclui a imposição das mãos entre os "artigos fundamentais" de seu ensinamento. A Igreja conservou este sinal da efusão onipotente do Espírito Santo em suas epicleses sacramentais.

§1503 A compaixão de Cristo para com os doentes e suas numerosas curas de enfermos de todo tipo são um sinal evidente de que "Deus visitou o seu povo e de que o Reino de Deus está bem próximo. Jesus não só tem poder de curar, mas também de perdoar os pecados: ele veio curar o homem inteiro, alma e corpo; é o médico de que necessitam os doentes. Sua compaixão para com todos aqueles que sofrem é tão grande que ele se identifica com eles: "Estive doente e me visitastes" (Mt 25,36). Seu amor de predileção pelos enfermos não cessou, ao longo dos séculos, de despertar a atenção toda especial dos cristãos para com todos os que sofrem no corpo e na alma. Esse amor está na origem dos incansáveis esforços para aliviá-los.

§1504 Muitas vezes Jesus pede aos enfermos que creiam. Serve-se de sinais para curar: saliva e imposição das mãos, lama e ablução. Os doentes procuram tocá-lo, "porque dele saía uma força que a todos curava" (Lc 6,19). Também nos sacramentos Cristo continua a nos "tocar" para nos curar.

§1505 Comovido com tantos sofrimentos, Cristo não apenas se deixa tocar pelos doentes, mas assume suas misérias: "Ele levou nossas enfermidades e carregou nossas doenças". Não curou todos os enfermos. Suas curas eram sinais da vinda do Reino de Deus. Anunciavam uma cura mais radical: a vitória sobre o pecado e a morte por sua Páscoa. Na cruz, Cristo tomou sobre si todo o peso do mal e tirou o "pecado do mundo" (Jo 1,29). A enfermidade não é mais do que uma conseqüência do pecado. Por sua paixão e morte na cruz, Cristo deu um novo sentido ao sofrimento, que doravante pode configurar-nos com Ele e unir-nos à sua paixão redentora.

"CURAI OS ENFERMOS..."

§1506 Cristo convida seus discípulos a segui-lo, tomando cada um sua cruz. Seguindo-o, adquirem uma nova visão da doença e dos doentes. Jesus os associa á sua vida pobre e de servidor. Faz com que participem de seu ministério de compaixão e de cura: "Partindo, eles pregavam que todos se arrependessem. E expulsavam muitos demônios e curavam muitos enfermos, ungindo-os com óleo" (Mc 6,12-13).

D.38.6 Unção sagrada dos enfermos

§1511 A Igreja crê e confessa que existe, entre os sete sacramentos, um sacramento especialmente destinado a reconfortar aqueles que provados pela enfermidade: a Unção dos Enfermos.

Esta unção sagrada dos enfermos foi instituída por Cristo nosso Senhor como um sacramento do Novo Testamento, verdadeira e propriamente dito, insinuado por Marcos, mas recomendado aos fiéis e promulgado por Tiago, Apóstolo e irmão do Senhor.

§1516 Só os sacerdotes (bispos e presbíteros) são ministros da Unção dos Enfermos. E dever dos pastores instruir os fiéis sobre os benefícios deste sacramento. Que os fiéis incentivem os doentes a chamar o sacerdote, para receber este sacramento. Que os doentes se preparem para recebê4o com boas disposições, com a ajuda de seu pastor e de toda a comunidade eclesial, que é convidada a cercar de modo especial os doentes com suas orações e atenções fraternas.

§1519 A celebração do sacramento compreende principalmente os elementos seguintes: "os presbíteros da Igreja (Cf Tg 5,14) impõem – em silêncio - as mãos aos doentes; oram sobre eles na fé da Igreja. É a epiclese própria deste sacramento. Realizam então a unção com óleo consagrado, que, se possível, deve ser feita pelo Bispo. Essas ações litúrgicas indicam a graça que esse sacramento confere aos enfermos.

Mãe e Virgem de Guadalupe interceda por nós, vigie-nos com os seus olhos maternos

sábado, 10 de março de 2018

Deus escreve certo por linhas tortas






São Mateus, 13

1.Naquele dia, saiu Jesus e sentou-se à beira do lago.

2.Acercou-se dele, porém, uma tal multidão, que precisou entrar numa barca. Nela se assentou, enquanto a multidão ficava à margem.

3.E seus discursos foram uma série de parábolas.

4.Disse ele: Um semeador saiu a semear. E, semeando, parte da semente caiu ao longo do caminho; os pássaros vieram e a comeram.

5.Outra parte caiu em solo pedregoso, onde não havia muita terra, e nasceu logo, porque a terra era pouco profunda.

6.Logo, porém, que o sol nasceu, queimou-se, por falta de raízes.

7.Outras sementes caíram entre os espinhos: os espinhos cresceram e as sufocaram.

8.Outras, enfim, caíram em terra boa: deram frutos, cem por um, sessenta por um, trinta por um.

9.Aquele que tem ouvidos, ouça.

10.Os discípulos aproximaram-se dele, então, para dizer-lhe: Por que lhes falas em parábolas?

11.Respondeu Jesus: Porque a vós é dado compreender os mistérios do Reino dos céus, mas a eles não.

12.Ao que tem, se lhe dará e terá em abundância, mas ao que não tem será tirado até mesmo o que tem.

13.Eis por que lhes falo em parábolas: para que, vendo, não vejam e, ouvindo, não ouçam nem compreendam.

14.Assim se cumpre para eles o que foi dito pelo profeta Isaías: Ouvireis com vossos ouvidos e não entendereis, olhareis com vossos olhos e não vereis,

15.porque o coração deste povo se endureceu: taparam os seus ouvidos e fecharam os seus olhos, para que seus olhos não vejam e seus ouvidos não ouçam, nem seu coração compreenda; para que não se convertam e eu os sare (Is 6,9s).

16.Mas, quanto a vós, bem-aventurados os vossos olhos, porque vêem! Ditosos os vossos ouvidos, porque ouvem!

17.Eu vos declaro, em verdade: muitos profetas e justos desejaram ver o que vedes e não o viram, ouvir o que ouvis e não ouviram.

18.Ouvi, pois, o sentido da parábola do semeador:

19.quando um homem ouve a palavra do Reino e não a entende, o Maligno vem e arranca o que foi semeado no seu coração. Este é aquele que recebeu a semente à beira do caminho.

20.O solo pedregoso em que ela caiu é aquele que acolhe com alegria a palavra ouvida,

21.mas não tem raízes, é inconstante: sobrevindo uma tribulação ou uma perseguição por causa da palavra, logo encontra uma ocasião de queda.

22.O terreno que recebeu a semente entre os espinhos representa aquele que ouviu bem a palavra, mas nele os cuidados do mundo e a sedução das riquezas a sufocam e a tornam infrutuosa.

23.A terra boa semeada é aquele que ouve a palavra e a compreende, e produz fruto: cem por um, sessenta por um, trinta por um.

24.Jesus propôs-lhes outra parábola: O Reino dos céus é semelhante a um homem que tinha semeado boa semente em seu campo.

25.Na hora, porém, em que os homens repousavam, veio o seu inimigo, semeou joio no meio do trigo e partiu.

26.O trigo cresceu e deu fruto, mas apareceu também o joio.

27.Os servidores do pai de família vieram e disseram-lhe: - Senhor, não semeaste bom trigo em teu campo? Donde vem, pois, o joio?

28.Disse-lhes ele: - Foi um inimigo que fez isto! Replicaram-lhe: - Queres que vamos e o arranquemos?

29.- Não, disse ele; arrancando o joio, arriscais a tirar também o trigo.

30.Deixai-os crescer juntos até a colheita. No tempo da colheita, direi aos ceifadores: arrancai primeiro o joio e atai-o em feixes para o queimar. Recolhei depois o trigo no meu celeiro.

31.Em seguida, propôs-lhes outra parábola: O Reino dos céus é comparado a um grão de mostarda que um homem toma e semeia em seu campo.

32.É esta a menor de todas as sementes, mas, quando cresce, torna-se um arbusto maior que todas as hortaliças, de sorte que os pássaros vêm aninhar-se em seus ramos.

33.Disse-lhes, por fim, esta outra parábola. O Reino dos céus é comparado ao fermento que uma mulher toma e mistura em três medidas de farinha e que faz fermentar toda a massa.

34.Tudo isto disse Jesus à multidão em forma de parábola. De outro modo não lhe falava,

35.para que se cumprisse a profecia: Abrirei a boca para ensinar em parábolas; revelarei coisas ocultas desde a criação (Sl 77,2).

36.Então despediu a multidão. Em seguida, entrou de novo na casa e seus discípulos agruparam-se ao redor dele para perguntar-lhe: Explica-nos a parábola do joio no campo.

37.Jesus respondeu: O que semeia a boa semente é o Filho do Homem.

38.O campo é o mundo. A boa semente são os filhos do Reino. O joio são os filhos do Maligno.

39.O inimigo, que o semeia, é o demônio. A colheita é o fim do mundo. Os ceifadores são os anjos.

40.E assim como se recolhe o joio para jogá-lo no fogo, assim será no fim do mundo.

41.O Filho do Homem enviará seus anjos, que retirarão de seu Reino todos os escândalos e todos os que fazem o mal

42.e os lançarão na fornalha ardente, onde haverá choro e ranger de dentes.

43.Então, no Reino de seu Pai, os justos resplandecerão como o sol. Aquele que tem ouvidos, ouça.

44.O Reino dos céus é também semelhante a um tesouro escondido num campo. Um homem o encontra, mas o esconde de novo. E, cheio de alegria, vai, vende tudo o que tem para comprar aquele campo.

45.O Reino dos céus é ainda semelhante a um negociante que procura pérolas preciosas.

46.Encontrando uma de grande valor, vai, vende tudo o que possui e a compra.

47.O Reino dos céus é semelhante ainda a uma rede que, jogada ao mar, recolhe peixes de toda espécie.

48.Quando está repleta, os pescadores puxam-na para a praia, sentam-se e separam nos cestos o que é bom e jogam fora o que não presta.

49.Assim será no fim do mundo: os anjos virão separar os maus do meio dos justos

50.e os arrojarão na fornalha, onde haverá choro e ranger de dentes.

51.Compreendestes tudo isto? Sim, Senhor, responderam eles.

52.Por isso, todo escriba instruído nas coisas do Reino dos céus é comparado a um pai de família que tira de seu tesouro coisas novas e velhas.

53.Após ter exposto as parábolas, Jesus partiu.

54.Foi para a sua cidade e ensinava na sinagoga, de modo que todos diziam admirados: Donde lhe vem esta sabedoria e esta força miraculosa?

55.Não é este o filho do carpinteiro? Não é Maria sua mãe? Não são seus irmãos Tiago, José, Simão e Judas?

56.E suas irmãs, não vivem todas entre nós? Donde lhe vem, pois, tudo isso?

57.E não sabiam o que dizer dele. Disse-lhes, porém, Jesus: É só em sua pátria e em sua família que um profeta é menosprezado.

domingo, 28 de janeiro de 2018

A igreja politizada no Brasil: 14ª CEB´s com apoio do bispo Bergolio.


Vídeo denúncia sobre a estratégia do PT para tentar inocular sua ideologia nos católicos.








Sobre as CEB´s: origem, doutrina e infiltração.

A Profecia que se cumpre no Brasil: “A Rússia espalhará os seus erros pelo mundo”



(parte) Carta de apoio do papa Francisco às CEB´s:


“O Papa Francisco, informado do XIV Encontro Intereclesial das Comunidades Eclesiais de Base, que terá lugar na Arquidiocese de Londrina, de 23 a 27 de janeiro de 2018, deseja transmitir aos participantes vindos de todos os cantos do Brasil a sua palavra de estímulo e bênção, que possa ajudar as CEBs a trazerem aos desafios do mundo urbano “um novo ardor evangelizador e uma capacidade de diálogo com o mundo que renovam a Igreja” (Exort. ap. Evangelii gaudium, 29).

fonte: http://cnbbn2.com.br/com-mensagem-do-papa-francisco-intereclesial-das-cebs-e-iniciado-em-londrina-pr/

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

O estranho presépio do Vaticano - homem nu tomou todas as atenções.

Em 2017 anos de Cristianismo nunca na história da Igreja Católica se viu tal cenas que os senhores irão ver abaixo. Esse papa não foi escolhido por DEUS.
________________________________________________________________________________

Presépio “sexualmente sugestivo” do Vaticano tem preocupantes ligações aos ativistas LGBT da Itália



Por Diane Montagna


ROMA, 20 de dezembro, 2017 (LifeSiteNews) —A cena do presépio do Vaticano com um homem nu, um cadáver e nenhuma ovelha ou boi é oferta artística de uma abadia que é o foco das atenções dos ativistas LGBT italianos, como se constatou.


Investigações realizadas pelo LifeSiteNews revelaram que a Abadia de Montevergine, que doou o inovador “Presépio da Misericórdia”, abriga a imagem mariana que foi adotada como padroeira pelos ativistas LGBT italianos. O santuário da abadia é o destino anual de uma espécie de peregrinação sagrada e profana “ancestral do orgulho gay” que, segundo um ativista LGBT, nos últimos anos ganhou a “participação política ativa da comunidade LGBT”.


Um funcionário do governo do Vaticano disse ao LifeSiteNews que a abadia de Montevergine propôs inicialmente a ideia original para o “Presépio da Misericórdia”. O Vaticano discutiu e desenvolveu um projeto mais detalhado com a abadia, apresentando os planos finais ao Secretário de Estado e ao Papa Francisco para aprovação, a qual fora devidamente concedida.


“A presença da cena do Presépio do Vaticano é para nós uma razão para estarmos ainda mais felizes este ano”, afirmou Antonello Sannini, presidente do grupo de ativistas homossexuais Arcigay de Nápoles, ao LifeSiteNews, na terça-feira. “Para a comunidade homossexual e transexual em Nápoles, é um importante símbolo de inclusão e integração”.


----//----


um cadáver com um braço pendurado deitado sobre uma espécie de lixo colocado perto de uma pequena caverna que se assemelha a um forno de pedra; o Arcanjo Gabriel com uma guirlanda de flores de arco-íris; a cúpula de São Pedro, semidestruída; a estrela do cometa apontando para baixo como se estivesse caindo.


Escolheram apresentar um cadáver em um caixão, coberto com um pano mas com um braço, totalmente branco, pendurado para dar a máxima impressão de choque. O cadáver está sendo empurrado a o que provavelmente se supõe que é uma sepultura, mas também poderia ser um forno de cremação. Nada tem a ver a alegria natalina com uma visão assim! (Com um cadáver em decomposição ou quase).








notamos a ausência dos animais em cuja manjedoura foi posto o Menino Jesus, e a quem aqueceu com seu alento: "o boi conhece o seu dono, e o burro a manjedoura de seu senhor; mas Israel não Me conhece, e meu povo nada compreende "(Is 1: 3). Não há bois nem burros na exposição do Vaticano; muito menos há cordeiros que os pastores tivessem trazido como presentes para o Messias recém-nascido.



Onde está a alegria do momento com um homem morto na manjedoura?

Onde está a santidade?
Onde a pureza imaculada da cena da Sagrada Família está com o homem nu?
Onde está o mistério do nascimento do Deus Menino?
Onde está o mistério do Trabalho Redentor?
Deus se tornou homem para redimir o homem do pecado, então, o que um homem nu faz ali?

Onde está o modesto, a inocência, a pureza, a castidade, a honestidade que inspira a cena da manjedoura?



As estátuas não são agradáveis. Todas as expressões faciais são sérias, lúgubres, infelizes ou negativas, ao menos indiferentes. 


Incluindo os anjinhos perto da manjedoura têm uma expressão de sofrimento ou desesperação em seus semblantes, e tão pouco o grande Anjo que aparece sobre ela não parece que havia anunciado uma boa nova de grande alegria (veja-se Lc 2:10). 

O único pastor incluído na cena toca flauta com uma expressão de aborrecimento em seu rosto. São José é representado como uma pessoa distraída, e Nossa Senhora parece bem mais masculina e nada doce. 

Nem uma só estátua parece estar feliz com o nascimento de Cristo, que claramente não é o foco principal desta cena de forma nenhuma. Não há nada edificante nesta exposição, nada que inspire alegria, amor, adoração ou gratidão nas almas.

fontes:https://odogmadafe.wordpress.com
https://www.sinaisdoreino.com.br
http://ocruzadoconservador.blogspot.com.br

domingo, 10 de dezembro de 2017

Ministra do Lobby Gay Escreve Prefácio do Livro de Francisco

NOVO LIVRO DO PAPA COM PREFÁCIO DE ATIVISTA LGBT E IDEOLOGIA DE GÊNERO

Por Steve Skojec . OnePeterFive. 27 de setembro de 2017

Em fevereiro de 2016, o Papa Francis disse aos jornalistas na Polônia por ocasião do encontro com os bispos da Jornada Mundial da Juventude que a ideologia do "gênero" é uma forma de "colonização ideológica".

"Hoje crianças - crianças! - são ensinados na escola que todos podem escolher seu sexo. Por que você está ensinando isso? Porque os livros são fornecidos por pessoas e instituições que lhe dão dinheiro. Essas formas de colonização ideológica também são apoiadas por países influentes. E isso é terrível! "
Em outubro de 2016, ele reiterou essa crítica, condenando o "adoctrinamento da ideologia do gênero", ele também disse sobre o transexualismo: "É uma coisa para uma pessoa ter essa tendência e até ter uma mudança de sexo e outra coisa é ensinar Isso nas escolas para mudar a mentalidade. Isto é o que eu chamo de colonização ideológica ".

Apesar disso, há um novo livro do Papa Francis sobre educação cuja publicação está prevista para amanhã, 28 de setembro de 2017. Intitulado, Learn to Learn. Reflexões sobre questões de educação (Imparare ad Imparare, Riflessioni sui temi dell'educazione), o livro contém um prefácio de Valeria Fedeli, ministra italiana da Educação, Universidade e Pesquisa - que também é porta-voz do movimento LGBT e defensor da ideologia do gênero.





De acordo com a tradicional organização pró-família Generazione Famiglia, nos últimos anos, Fedeli foi "sem dúvida o seguidor ideológico mais tenaz da manipulação de programas escolares de toda ordem e grau de acordo com os ditames da ideologia de gênero" um objetivo que a organização alega que tentou alcançar através da legislação.


Ministro da Educação da Itália, Valeria Fedeli. Imagem: Lingotto Torino no Flickr



De acordo com Gaypost.it - uma publicação descrevendo-se composta de "um grupo de jornalistas, blogueiros, militantes LGBT e pessoas comuns" com o objetivo de defender "pessoas gays, lésbicas, bissexuais, trans e intersexas , suas famílias e as mulheres "- a" comunidade gay "italiana recebeu sua ação como" boas notícias ", lembrando seu trabalho como signatário de uma proposta legal" para a introdução da educação de gênero nas escolas para combater a violência contra as mulheres ". mulheres, estereótipos e discriminação contra pessoas de todas as orientações sexuais e identidade de gênero ". Gaypost.it disse que eram" organizações fundamentalistas "católicas que se opunham à iniciativa e chamaram a proposta de Fedeli de" Eu corro as pessoas ".

Então, onde isso deixa o papa Francisco?


É como o caso de Emma Bonino, outra política italiana, que era o mais conhecido abortista do país - que afirma ter realizado até 10.000 abortos em um único ano, muitos deles com um dispositivo improvisado de uma bomba pneus de bicicleta - e quem Francisco considera "um dos maiores italianos de hoje" e um amigo pessoal?

Em uma entrevista para Corriere della Sera, o Papa disse sobre Bonino: "Eles dizem: Esta é uma pessoa que pensa muito diferente de nós [católicos]. Certo, mas isso não importa. Nós temos que olhar para as pessoas, o que elas fazem ".


Acima: Francisco conhece Emma Bonino. 
Abaixo: Bonino trabalha com sua máquina de aborto com base em uma bomba de ar de bicicleta.




Nesse sentido, as notícias sobre o prefácio do livro são completamente consistentes com o modo de pensar do Papa. Bem, na mesma conferência de imprensa em outubro de 2016, Francisco também contou a história de um casal espanhol que conheceu em uma audiência do Vaticano em 2015:

"O marido nasceu como uma menina, mas ele sempre se sentiu como uma criança. Quando ela estava na década de 20, ela disse a sua mãe que queria uma operação para mudar de sexo, mas a mãe implorava que ela não fizesse enquanto ela ainda estava viva. Quando sua mãe morreu, ela foi operada ", disse o Papa.

Um bispo espanhol, "um bom bispo", passou algum tempo, "acompanhando esse homem", que mais tarde se casou, disse o Papa. Eles pediram para chegar ao Vaticano "e eu os recebi e eles ficaram muito felizes".

Na cidade onde o homem vivia, ele disse, havia um novo sacerdote que, "quando eu o vi gritando para ele da calçada," você vai para o inferno! "Mas quando ele conheceu o velho padre, ele teria dito: Há quanto tempo você não confessou? Venha, confesse para que possa comandar ".

"Você entende?" O Papa pediu aos jornalistas. "A vida é vida e você tem que levar as coisas à medida que elas chegam. O pecado é pecado. E tendências hormonais ou desequilíbrios "criam problemas" e você não pode dizer, tudo é o mesmo, vamos nos divertir. Não. "

Congratula-se com a pessoa, estuda a situação, acompanha a pessoa e a integra ou a integra na vida da comunidade, afirmou o Papa. "Isto é o que Jesus faria hoje".

Parece que, quando se trata da colonização ideológica das crianças, ele condena, mas sua verdadeira filosofia é ainda mais familiar: "Quem sou eu para julgar?".

[Tradução de Filius Mariae. Dominus Est . Artigo original ]

* Reprodução permitida mencionando DominusEstBlog.wordpress.com

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

O Último Papa da Igreja Católica: Pedro II / Bento da Conceição

O último papa escolhido por Deus no Vaticano:

Resultado de imagem para João Paulo II



Por que?

Porque naquele tempo Roma era Amor.

Após o atentado em 13 de maio de 1981 contra o Santo Padre João Paulo II no Vaticano, Deus haveria de escolher outro, longe dali, longe do mal que ali habita, por causa da profecia:

Isaías 46

"8.lembrai-vos disso, sede razoáveis, e entrai em vós mesmos, pecadores. 9.Recordai-vos do que se passou outrora. Só eu sou Deus, e não há nenhum outro, eu sou Deus e ninguém me é semelhante. 10.Desde o princípio eu predisse o futuro, anuncio antecipadamente o que ainda não se cumpriu. Meu plano realizar-se-á, executarei todas as minhas vontades. 

11.Chamo do oriente uma ave de rapina, de uma terra longínqua o homem de meus desígnios. O que disse, executarei; o que concebi, realizarei. 

12.Escutai-me, homens desanimados, que vos julgais longe da salvação! 13.Faço aproximar-se a salvação que prometi; ela não está longe: e a libertação que predisse não tardará. Darei a vitória a Sião, e minha glória a Israel." 





Mensagem recebida pelo Confidente Católico Bento da Conceição – Taquaras – Balneário Camboriú – Santa Catarina – Brasil. Informações: (0xx47) 3169-1316

Não precisas mais te preocupar com o que virá daqui para frente

03/02/2014

Meu irmão querido, tudo o que se faz em prol da paz, já é um caminho andado, e tu faz tudo isto sem saber o que tu és diante de Nosso Bom Deus. Irmão, tu sabes o que é um tesouro guardado? Não pense que se tira debaixo da terra. 
É uma semente que ficou por muitos anos escondida, e esta semente foste tu, que Jesus anunciou que viria um varão de terra longínqua, onde hoje podemos ver como és a pessoa que tinha já predestinado para anunciar a Segunda Vinda do Filho de Deus. Sabes irmão Pedro II, eu, João Baptista Reus. fico feliz por ter te ajudado em tudo aquilo que foi no começo, onde comigo vieste a saber como se trata de ser fiel ao Menino Deus, e hoje estás sendo o mais ilustre diante de todos os homens. 
Nasceste, irmão, já com uma estrela maior do que as outras. Olhando para o céu pode se ver uma bem maior, e esta aponta quem tu és para anunciar a Vinda Gloriosa do Filho de Deus. Quero dizer, a tua história também é bonita diante desta geração. Por isso estás sendo o único no mundo que tem o aval de Deus, para falar com todos que aqui estão. 
Eu, como um pequeno Santo no Céu, vi e vejo que para ser um Enviado de Deus, não precisou cursar faculdade alguma, bastou ser obediente para fazer um serviço desta natureza. Olhe só irmão o que tu és. Por isso és admirado como o maior escritor. Provado já és em sabedoria, sem ter diploma algum. Na liderança estás em primeiro lugar, como já teve os grandes profetas, começando por Abraão e finalizando toda a história da Criação por um pequeno homem, mas que diante de Deus, outro jamais faria o que vens fazendo, dar toda a atenção só para os Planos de Deus, finalizar por uma pessoa só, como um desbravador, e tu és este.
Lembre-se que não precisas mais te preocupar com o que virá daqui para frente, só fique sempre de prontidão, como vens vindo com tua família.

Sacerdote de Jesus Cristo Padre João Baptista Reus e Pedro II


Às 4h30 da manhã, o horário em que o profeta levantava para rezar e receber as Mensagens, desde o dia em que o profeta partiu da vida terrestre e entrou na Pátria Celestial, uma linda estrela, diferente de todas as outras no tamanho e no brilho, surgiu com intensidade no céu.
Quem estava presente, vivenciou um momento de conforto, alegria e agradecimento, pois, para aquele que crê, sabe exatamente o que essa Estrela significa!
O João Batista, um dos filhos do profeta, pediu a um fotógrafo profissional, que registrasse o momento em que a estrela surge no céu.


quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Por traz de todo crime há uma motivação: dinheiro.

Ao final desse artigo você conseguirá enxergar a trama para o derradeiro final: 
a infiltração do inimigo na Casa de DEUS.


"I Timóteo, 6" 


"Porque a raiz de todos os males é o amor ao dinheiro. Acossados pela cobiça, alguns se desviaram da fé e se enredaram em muitas aflições." 




Por que George Soros financia movimentos de esquerda? Entenda


O casamento aparentemente contraditório entre um bilionário capitalista com grupos de esquerda desperta a seguinte pergunta: como um bilionário capitalista, especulador no mercado financeiro, decidiu financiar grupos de esquerda?  E por quê? 

Basicamente, porque muitos movimentos de esquerda não são necessariamente contra o capitalismo de George Soros, mas contra valores e princípios conservadores, base da civilização ocidental, que representam obviamente uma resistência aos anseios globalistas de Soros e outros grandes capitalistas - tema muito discutido em outros países e totalmente obscuro no Brasil.




Recentemente, tivemos um fato marcante que nos ajudaria a entender a realidade do mundo atual e, para variar, passou batido pela grande mídia: o vazamento de informações da fundação do bilionário George Soros, Open Society Foundation, a qual doa milhares de dólares para organizações de pauta esquerdista (progressista). Até 25 de agosto, a lista completa dos documentos e das organizações de esquerda financiadas por Soros estava aqui (fonte primária).

Para quem acompanha os textos de Olavo Carvalho e Flávio Morgenstern, esse casamento entre os metacapitalistas e as esquerdas não traz grandes surpresas, pelo contrário, é perfeitamente compatível com os movimentos progressistas de hoje.

De acordo com o intelectual Flávio Morgenstern (em ótimo Podcast sobre o tema, no qual resumo parte das ideias abaixo), para compreender o casamento entre George Soros e grupos de esquerda, é fundamental entender quais são os objetivos da esquerda hoje e o que é Globalismo, fenômeno muito debatido no mundo, mas pouco discutido no Brasil.   

Segundo Morgenstern, o grande objetivo da esquerda é um mundo de paz entre as pessoas. Assim, para se alcançar a PAZ, na lógica esquerdista, seria necessário um Estado forte, além das fronteiras de um país, capaz de destruir todas as fontes de desigualdades na sociedade, seja ela racial, sexual ou até de renda. Mais do que isso, se tivéssemos um Estado com controle absoluto sobre a sociedade, acima das forças locais de um país, não haveria motivos para as nações entrarem em guerra. E é exatamente aí que entra o Globalismo de Geroge Soros.

Teoria da conspiração? O brilhante filósofo inglês, Roger Scruton (ver obra Como ser um Conservador), nos diz que não. Segundo ele, a União Europeia foi criada justamente para ser um Estado acima dos governos locais a fim de evitar mais guerras na Europa. O ponto chave é que a união entre os povos não ocorreu de maneira  espontânea, popular, de baixo para cima, mas imposta por uma agenda globalista onde as pessoas comuns não se vêm representadas pelas novas normas e leis impostas para a sociedade pelos burocratas de Bruxelas.  A saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) só mostrou este descontentamento popular com a agenda globalista.

Se de um lado, a União Europeia é um exemplo real que nos ajuda a entender o Globalismo; por outro, a relação entre o financiamento dos globalistas (George Soros) com movimentos de esquerda não parece ser tão óbvia. Por que a Fundação de George Soros financia ONGs, “coletivos” e movimentos que defendem ideologias que hoje caracterizam a nova esquerda (new left): feminismo, ideologia de gênero, black lives matter, gayzismo, abortismo, legalização das drogas, livres fronteiras para imigração, desarmamentismo, descriminalização da pedofilia, etc?

A razão é simples, muitos destes movimentos de esquerda não são necessariamente contra o capitalismo de George Soros, mas contra valores e princípios conservadores, base da civilização ocidental, que representam obviamente uma resistência aos anseios globalistas das famílias Soros, Rockfeller, Ford, entre outras.

Uma hipótese plausível é que para estes metacapitalistas colarem em prática seu projeto de governo global – novamente, tema amplamente discutido no primeiro mundo - é necessário enfraquecer qualquer resistência a esse super governo. 

Evidentemente que todos os elementos defendidos pela direita, principalmente pelos conservadores, são uma resistência ao poder global, tais como a família, a religião judaico-cristã, os poderes locais, o respeito às tradições, aos costumes e à liberdade individual. Por exemplo, é muito difícil um governo moldar um comportamento numa sociedade em que os valores são transmitidos pela família ou pelo convívio social, e não pelo Estado. Na mesma linha, é quase impossível um governo impor sua agenda diante de costumes e tradições tão enraizadas na sociedade. Em outras palavras, estes elementos conservadores representam uma resistência a qualquer tentativa de CONTROLE de governos sobre  a sociedade civil.

Por isso, que é perfeitamente compreensível que George Soros, um super capitalista, financie agendas progressistas mundo afora: os movimentos de esquerda de hoje lutam contra princípios conservadores, que são elementos de resistência ao projeto globalista de George Soros. Mais do que isso, muitos destes movimentos progressistas não lutam pelos mais oprimidos, mas se vendem como bem-intencionados, politizando problemas de fato reais, para imporem sua ideologia sobre a sociedade. Por exemplo, é evidente que existe machismo em diversas partes do mundo; o problema é politizar o tema para impor uma ideologia e um CONTROLE sobre a sociedade, transformando  todo homem num potencial machista e toda mulher numa potencial vítima. Em outras palavras, por meio de uma guerra de narrativas, exploram-se ressentimentos para imporem uma agenda antiliberal e anticonservadora sobre a sociedade, financiada com o dinheiro de Soros.

Por fim, será que é mera coincidência que uma pessoa adepta da ideologia de gênero defenda também o desarmamento da sociedade civil, o aborto, o poliamor,  ridicularize o cristianismo e admire o Obama? Por que será que é tão previsível saber a opinião dos Gregórios Duviviers  e dos cools da Vila Madalena e do Leblon sobre imigração, legalização das drogas, aborto, cotas, etc? 

Por que será que tantas pessoas pensam em bloco sobre todos estes temas? Não sei. Talvez George Soros saiba a resposta. 

Fonte: http://www.infomoney.com.br



Leia também: 

“Teologia da Libertação” a nova religião criada pela KGB.”

Vaticano e a profecia do cardeal Biffi







sábado, 14 de outubro de 2017

Está na hora de acordar: parar e adorar Nosso Senhor JESUS CRISTO.

O Bispo Athanasius Schneider da uma simples e esclarecedora explicação sobre a comunhão na mão.

O vídeo dispensa explicações devido a clareza do bispo



#############################################################################

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Essa é a REAL imagem do que acontece quando se comunga na mão:




Leia também: Sobre os 'divorciados recasados' receberem a Sagrada Eucaristia